sábado, 14 de julho de 2018

O Reino de Deus e a Igreja : O reino de Deus é a mesma coisa que a Igreja?



Para início de conversa, os evangelistas usam mais de 100 vezes o termo “reino de Deus” e só duas vezes a expressão “Igreja”. Jesus praticamente só tinha em mente o Reino de Deus. Então o que é o reino de Deus? Por quem é constituído? Por todos os que praticam o bem, a verdade, a solidariedade e a justiça e o respeito do outro

Podemos observar que a humanidade tem oito bilhões de habitantes. No meio desses oito bilhões só um bilhão somos católicos. De 08 pessoas só uma é da Igreja. 

E também entre essas 08 pessoas só uma é protestante. Portanto 02 pessoas entre oito é que “somos” de Cristo, somos “cristãos”. E os outros seis bilhões? Praticam o bem, temem e respeitam Deus e o próximo? Sim, sem dúvida. E pode acontecer que essa gente possa amar mais o próximo e praticar mais a caridade e o amor. 

E pode acontecer que muitos da Igreja e das Igrejas pratiquemos menos do que eles. No caso, eles pertenceriam ao reino de Deus enquanto que gente da Igreja pertença menos do que eles.

Imaginemos um grande tacho de arroz. Juntemos o sal. O sal é pouquinho, mas pode ajudar a melhorar o grande tacho de arroz. Assim teríamos que ser as pessoas da Igreja e das Igrejas: sendo pouca coisa como o sal mas ajudando a que os outros possam ser melhores. O arroz já é  bom, mas ficaria sendo melhor.

Digamos então: o reino de Deus é o grande tacho de arroz, ou o grande mundo, “esse mundão de Deus”. E o sal terá que que ser a Igreja e as Igrejas.

Vale dizer, a Igreja e as Igrejas não somos o mundo mas estamos dentro do mundo. Quando se diz que o reino de Deus é maior do que a Igreja queremos dizer isso mesmo. O todo é maior do que a parte. O todo é o mundo e a Igreja é uma parte. Porquê? Porque tem muita gente que tem outra fé, e outras teologias e outras maneiras de adorar Deus, e culturas para se expressarem. A Igreja está nesse mundo como uma parte para somar.

Hoje em dia esta constatação tem feito refletir muito a teologia. E admitir a unidade global da salvação. Tempos atrás a Igreja dizia que “fora da Igreja não tem salvação”. Hoje em dia a teologia está dizendo: fora da Igreja tem muita salvação”.

Também se dizia que depois da morte do último apostolo terminou a “revelação”. Agora se sabe que grande parte dos evangelhos não foi feita por nenhum apóstolo. E a maior parte das Cartas também não por  São Paulo. Por exemplo tem 13 Cartas atribuídas a São Paulo. 

Hoje sabemos que só uma metade é que são de São Paulo. E nenhuma é de Pedro. E de Tiago. E os evangelhos seguem o mesmo caminho.

Vejamos: São comprovadamente de São Paulo: 1 Tessalonicenses, 1 e 2 Coríntios, Gálatas, Filipenses e Romanos =06. Não são dele: Efésios, Colossenses, 2 Tessalonicenses, 1 e 2 Timóteo, Tito e Hebreus =07.

E as Cartas de João não são dele e as Cartas de Pedro não são dele e assim por diante ( Hemut Coester, Introdução ao N. Testamento,(2) 55).
Os critérios então foram postos em questão, e em questão ainda estão hoje. Muita coisa está em aberto, quer nas teologias, quer na revelação.

Na verdade, o Antigo Testamento tinha uma teologia dos Judeus, a duras provas fabricada. E o Novo Testamento é a teologia dos primeiros cristãos, ou até muitas teologias, a duras penas também elaboradas. 

Vieram depois várias teologias durante a Idade Média e que têm sido conservadas e protegidas a duras penas até nossos dias. E agora? Não fique tão perplexo, porque tem grandes sinais de muita reflexão em andamento apontando caminhos e rumos para gerações futuras.

Como diz o teólogo Libanio: “Não se pode prescindir da evolução da dogmática ao longo da história na compreensão de Jesus” (Linguagens sobre Jesus (2), 56).

                NOTICIÁRIO:


1)- Hoje é dia do dízimo na Matriz porque não foi possível domingo passado por conta da 24ª Concentração estadual do Apostolado da Oração.

2)- Entrega da caminhada da preparação do Bote Fé: A comunidade da Santa Ana fará a entrega para a comunidade de NªSª do Bom Parto nesta tarde. Próximo domingo é a vez da entrega para a comunidade de São Pedro.

3)- Amanhã, dia 16 é o levante do mastro da Santa Ana e inicio do festejo, às 16.00h. A construção da nova igreja da Sant’Ana já vai pela metade. Já está a parte principal do salão e 04 salas com banheiros, e no segundo piso estamos já com as paredes do espaço do templo levantadas. A Novena já será na nova construção mesmo em andamento, visite e colabore para a nova construção que fica em frente do Colégio da Aldeia, na BR 222.

A igreja da SANTA ANA em construção
4)- Dia 18, 4ª feira temos reunião de formação dos Ministros da Eucaristia às 19.00h no CBNET. É importante para escolher quem irá participar da Formação Diocesana no Brejo, junto com Ministros da Palavra, que será nos dias 21 e 22 desta semana.

5)- No dia 19, 5ªfeira convido para a reunião dos Colegiados às 19.00h. Sua presença é muito importante.

6)- A PJ prepare 04 elementos para participar num curso de base na cidade do Estreito nos dias 27 e 28.

7)- Convite: O Coral de Nossa Senhora das Dores, na pessoa do prof. Evaldo Carlos (coordenador geral) e Jonas Cardoso (regente) convida aos irmãos e irmãs das comunidades da Paróquia de NªSª das Dores e participar do Coral. Ensaios todas as segundas e sábados no CBET às 19.00h. Agradece a coordenação. Inscrições abertas até o fim de Agosto.

  A G A D E C I M E N T O S

Agradecemos as Comunidades que colaboraram emprestando as cadeiras para o evento do Coração de Jesus no domingo passado. Agradecemos também a FAP, Loja maçônica 31 de Março, Secretaria de Educação, Prefeitura Municipal, Secretaria de Obras, Afonso Bar, Landry Móveis, DMT, Guarda Municipal, Polícia Militar, Geovaci Publicidade, Sebastiana “Olho Vivo”, Sharlon Móveis, Equipes de Móveis, Equipes de Seviços e todos que contribuíram direta e indiretamente para o sucesso do Evento. Muito obrigado.


sábado, 7 de julho de 2018

Do Cristo carpinteiro de Nazaré ao Cristo cósmico, e pantocrator.



Na vida terrena de Jesus, ele gostava de usar o nome “filho do homem”, título correspondente quando nós dizemos “ser humano”, este ser humano que sou eu. Assim várias vezes nos salmos: “quem ó homem para que o conheças e o filho do homem para que o consideres”? (Sl. 144,3).

Foi reforçado com a mesma expressão e como que colocado em mistério quando foi usado numas palavras de Daniel cap. 07 quando nos sonhos dele se reporta a um “filho de homem” ou ser semelhante a um “filho de homem” ou figura humana. Este sonho influenciou daí em diante enchendo de mistério o que era simples e cotidiano.

Jesus não lhe atribuía tanto mistério. Jesus conjugava a dupla atividade de pobre entre os habitantes de Nazaré: camponês e rude artesão, um entre os outros camponeses e artesãos. Os evangelhos apócrifos lhe coloriram a infância e certa linguagem piedosa lhe embelezaram a vida.

Como já falei noutra ocasião, à segunda geração dos cristãos não interessava nem agradava a figura de um Jesus pobre, camponês, e derrotado numa cruz. Ainda tinham na lembrança aquelas promessas: “Quero que estes meus filhos possam sentar-se um à tua direita e outro à tua esquerda” (Mc.10,35). E “É agora que vais restaurar o reino de Israel?” (At. 1,6). E:” Sentar-vos-eis em doze tronos para julgar as 12 tribos de Israel” (Mt.19,28).

E também a apresentação do Jesus servidor e pobre colado à vida do povo pobre, sofredor e desprezado começou a questionar o poder eclesiástico  que se formou à imitação dos poderes e dos imperadores romanos.

É de notar que quando o império romano se desmoronou, o esquema de comando, títulos e vestuário passou a ser conservado na Igreja. Até há bem pouco os bispos eram chamados de “príncipes” da Igreja.

Foi assim que pouco a pouco a ideia geral foi se distanciando do cristo carpinteiro para o Cristo cósmico. Esse Cristo dominador a quem deviam estar sujeitos todos os poderes. Na verdade, uma figura de um Cristo pobre ia incomodar os poderes de uma Igreja que começava a controlar, abençoar e entronizar também os imperadores.

Na alta Idade Média o Papa era considerado como o imperador do Ocidente. A hierarquia assim fixada tornava visível a hierarquia divina encabeçada pelo único Deus, como antes era encabeçada pelo imperador.

O Papa Inocêncio III (1198-1216) até declarou em sua tomada de posse:” Eu sou o Vigário de Jesus Cristo, o sucessor de Pedro, e estou colocado entre Deus e o homem, menor do que Deus, mas maior do que o homem: eu julgo todos os homens, mas não sou julgado por nenhum deles” (Charles 1913:22). Isto era cópia do dito antigo: O rei é o último dos deuses, mas é o primeiro dos seres humanos. (Bruno L.Malina, “O evangelho Social de Jesus, 97).

As próprias teologias que começavam a se formar com os primeiros cristãos foram introduzidas nos evangelhos e nos primeiros Credos. O mais famoso é o “Símbolo dos Apóstolos”. Circulou a lenda que cada apóstolo tinha formado um artigo.

O “Símbolo dos Apóstolos” vem justamente do séc.IV, e a forma que chegou até nós se formou no séc. VII. Depois se firmou no Catecismo romano de 1566. E a Igreja nunca se deu conta de que é devedora de um tempo e de uma geografia” (L.Boff).

Sabemos que nesse intervalo aconteceram os concílios de Constantinopla (385), de Éfeso (413) e de Calcedônia (451) todos presididos e convocados pelos imperadores da época. Daí não podíamos esperar que fosse apresentado um Jesus colado com a vida de seu tempo mas um Jesus semelhante em tudo com os poderes e imagem de um imperador igual eles.

É importante nos interrogar neste momento: qual a figura de Cristo que mais faz bem agora para nossa vida e que mais adéqua com a realidade que Jesus viveu e com a realidade que vivemos hoje? A quem serve essa apresentação de Jesus como o Cristo “imperador” dos daqueles tempos e de figuras impressionantes?

           NOTICIÁRIO:


1)- Damos graças a Deus pelo evento de hoje acontecido nas nossas paróquias e porque Chapadinha foi escolhida para sediar esta 24ª Concentração estadual da Associação do Apostolado da Oração. Parabenizamos todos os movimentos e pastorais e todas as Comunidades das duas paróquias pelos trabalhos realizados. Para a senhora Odete Guimarães Lima, os especiais parabéns, na qualidade de presidente paroquial da Associação do APOSTOLADO DA ORAÇÃO.

2)- Vai acontecer reunião do clero da diocese nos dias 9,10 e 11 na cidade de Barreirinhas.

3)- Vai ter reunião de formação da Pastoral do Batismo nesta semana, 5ª feira dia 12. Sua presença é muito importante.

4)- Tem a continuação da Escola teológica nos das 8 a 14, esta sendo na cidade de Brejo.







COMO SURGIU O APOSTOLADO DA ORAÇÃO NO MUNDO E NO BRASIL


 A pequena semente foi lançada no dia 03/12/1844, numa casa de estudos, em Vals, perto de Lê Puy na França. Em 1844, no dia de São Francisco Xavier, Pe. Francisco Gautrelet explicou a um grupo de estudantes, animados de zelo pelas almas, como as orações e sacrifícios poderiam levar um preciosíssimo auxílio àqueles que trabalhavam já na seara do Senhor.

     As idéias propostas naquela exortação espiritual deram origem ao Apostolado da Oração. Foram imediatamente concretizadas por aqueles jovens, depois por sacerdotes nas regiões vizinhas e em breve se tornaram conhecidos em toda a França, não tardando chegar a outras nações.

     Para difundir estas idéias, o Pe. Gautrelet sugeriu uma organização, que levou o nome de “Apostolado da Oração”. Foi aprovada pelo Bispo Lê Puy, e o Papa Pio IX concedeu-lhe em 1849 as primeiras indulgências.

     A divulgação do Apostolado da Oração no mundo deve-se ao Pe. Henrique Ramiere, SJ. Foi ele o grande organizador e promotor do apostolado.

     Em 1861, foi publicado o livro intitulado “O Apostolado da Oração”. No mesmo ano, começou a publicação de uma revista intitulada “Mensageiros do Coração de Jesus”, a qual rapidamente difundiu-se nos anos seguintes em outras nações das mais diversas línguas: Itália, Áustria, Estados Unidos da América, Espanha, Colômbia, Hungria, Inglaterra, Holanda, Bélgica etc.

     Quando o Pe. Henrique faleceu em 1883, o Apostolado da Oração contava no mundo todo com 35.600 centros com mais de 13 milhões de associados.


APOSTOLADO DA ORAÇÃO NO BRASIL

     No Brasil, o primeiro centro foi fundado no dia 30 de junho de 1867, na cidade de Recife/PE, na Igreja Santa Cruz, oficiada pelos padres Jesuítas, chegados em Pernambuco no ano de 1865. O Pe. Bento Schembri, SJ foi seu fundador e primeiro Diretor. Em 1º de outubro de 1871, o Pe. Bartolomeu Taddei, SJ fundou o primeiro centro do Apostolado da Oração na cidade Itu/SP, fundando, logo, outros centros em nível diocesano e nacional. Por esta razão o Pe. Bartolomeu Taddei é considerado o fundador e o propagador do Apostolado no Brasil. Nomeado Diretor Nacional, o Pe. Taddei estendeu o Apostolado a todos os estados, de tal forma que o Cardeal D. Sebastião Leme pôde afirmar que “o renascimento espiritual do Brasil é obra do Apostolado da Oração”. No dia 1º de junho de 1869, o Pe. Taddei conseguiu superar as dificuldades e lançar o primeiro número da revista “Mensageiros do Coração de Jesus” como órgão do Apostolado da Oração. Além disto, com a colaboração fervorosa do Apostolado, o Pe. Taddei realizou o Primeiro Congresso Católico Brasileiro em 1900, na Bahia, completado com o Congresso de São Paulo e o do Rio de Janeiro. Esses congressos prepararam o caminho para Ação Católica e para a Ação Social em nosso país.Intensificando a vida eucarística e o culto ao Sagrado Coração de Jesus, o Apostolado da Oração revitalizou por toda parte a prática da religião, tanto individual, como nos lares por meio da consagração das famílias, através da consagração dos municípios, cidades e estados de todo o Brasil. A consagração do nosso país foi realizada oficialmente por ocasião do 36º Congresso Eucarístico Internacional, celebrado em 1956 na cidade do Rio de Janeiro.O Pe. Taddei faleceu no dia 03 de junho de 1913, na cidade de Itu/SP, junto ao Santuário Central do Sagrado Coração de Jesus por ele edificado, deixando em pleno funcionamento 1.390 centros do Apostolado da Oração espalhados por todo o Brasil, com cerca de 3 milhões de associados.

Organização e Estrutura

    Os papas confiaram a animação espiritual do Apostolado da Oração ao Superior Geral da Companhia de Jesus, com sede em Roma, cargo hoje ocupado pelo Pe. Peter Hans Holvenbach. Por motivos práticos e operacionais, este costuma nomear seu Diretor Delegado; Secretários Nacionais e Regionais; Coordenadores Provinciais. As províncias brasileiras são: Província do Brasil Setentrional; Ceará, Rio Grande do Norte, Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Paraíba, Bahia, Espírito Santo, Maranhão, Piauí, Pará, Amazonas, Roraima, Marajó, Amapá. Província do Brasil Centro-leste: São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Tocantins, Goiás. Província do Brasil Meridional: Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rondônia. Movimento Eucarístico Jovem (MEJ) - congrega adolescentes e jovens, constitui uma seção, o braço juvenil, o sangue novo do Apostolado da Oração. Tem sua espiritualidade centrada na Eucaristia. Seu projeto inclui três pilares básicos: Evangelho, Eucaristia e Missão. O Secretário Nacional do MEJ é atualmente o Pe. Roberto Rezende. Diretores Diocesanos: nomeados pelo Bispo Diocesano. Centros Paroquiais: formados de diretoria, corpo de zeladores (a) e famílias zeladas; Diretor Espiritual; Coordenador(a) Zelador(a); Vice-Coordenador(a); Secretário(a) e Tesoureiro(a) Zelador(a).

    O Apostolado da Oração tem raízes evangélicas, bíblicas, eclesiais, fundamentação teológica, oração e apostolado. Suas duas linhas mestras alicerçadas sobre seis pilares são:

    Oferecimento diário; Vivência da eucarística; Culto especial ao Coração de Jesus Culto a Maria Santíssima Sintonia com o Papa, o espírito eclesial Devoção ao Divino Espírito Santo.

Para a vida apostólica:

    Formação sólida das zeladoras e zeladores (espiritual, bíblica, litúrgica, apostólica), através de: Reuniões mensais, retiros, tardes de formação, reflexão, palestras

Objetivos da Ação Pastoral:

    Atuação na base: procura atingir as famílias da comunidade através e pequenos grupos de oração, reflexão e vivência cristã: zeladores(a) e famílias zeladas, que poderão formar verdadeiras comunidades eclesiais de base.

Irradiação da vida cristã no meio-ambiente, pelo testemunho de vida e pela palavra.

    Promoção humana e assistência social: vários membros participam de outras pastorais e grupo: Pastoral da saúde, Legião de Maria e outros.

    Espiritualização a comunidade: promover horas santas, novenas, terço em família, natal em família,vias sacras.

    Revitaliza a prática das primeiras sextas-feiras dando-lhes um conteúdo de oração comunitária, enraizada na Bíblia e na Liturgia.

Desperta nas famílias, espírito de oração e a imitação de Jesus Cristo, através de:

    Consagração da família ao Sagrado Coração de Jesus;Entronização, nos lares, da imagem do Coração de Jesus;Colaboração nas atividades e promoções e sociais da Paróquia.

Apostolado da Oração

    O Apostolado da Oração é a união de pessoas que procuram consagrar suas vidas a Deus pela oração e pelo testemunho. É um serviço à igreja. A principal devoção é o culto ao Sagrado Coração de Jesus. Os membros do Apostolado encontram na oração e na vida sacramental, a força e a vitalidade.O Apostolado da Oração é uma associação de âmbito universal da Igreja Católica. A espiritualidade do Apostolado se baseia no oferecimento do dia, na vivência da Eucaristia, na devoção especial a Nossa Senhora, rezando diariamente o terço, e na invocação do Divino Espírito Santo, fonte de paz e de sabedoria eterna. O Apostolado está sempre em sintonia com o Papa.Podem participar do Apostolado, pessoas de ambos os sexos, inscrevendo-se como associados, inicialmente, e depois de um determinado prazo de vivência, passarão a Zeladores. A dimensão espiritual, a animação religiosa e a formação das lideranças do Apostolado da Oração cabem ao diretor espiritual.

    O Papa João Paulo II assim se expressou: “O testemunho do Coração do Papa e do Coração de Cristo é o Apostolado da Oração.”



sexta-feira, 6 de julho de 2018

COMO SURGIU O APOSTOLADO DA ORAÇÃO NO MUNDO E NO BRASIL

COMO SURGIU O APOSTOLADO DA ORAÇÃO NO MUNDO E NO BRASIL


 A pequena semente foi lançada no dia 03/12/1844, numa casa de estudos, em Vals, perto de Lê Puy na França. Em 1844, no dia de São Francisco Xavier, Pe. Francisco Gautrelet explicou a um grupo de estudantes, animados de zelo pelas almas, como as orações e sacrifícios poderiam levar um preciosíssimo auxílio àqueles que trabalhavam já na seara do Senhor.

     As idéias propostas naquela exortação espiritual deram origem ao Apostolado da Oração. Foram imediatamente concretizadas por aqueles jovens, depois por sacerdotes nas regiões vizinhas e em breve se tornaram conhecidos em toda a França, não tardando chegar a outras nações.

     Para difundir estas idéias, o Pe. Gautrelet sugeriu uma organização, que levou o nome de “Apostolado da Oração”. Foi aprovada pelo Bispo Lê Puy, e o Papa Pio IX concedeu-lhe em 1849 as primeiras indulgências.

     A divulgação do Apostolado da Oração no mundo deve-se ao Pe. Henrique Ramiere, SJ. Foi ele o grande organizador e promotor do apostolado.

     Em 1861, foi publicado o livro intitulado “O Apostolado da Oração”. No mesmo ano, começou a publicação de uma revista intitulada “Mensageiros do Coração de Jesus”, a qual rapidamente difundiu-se nos anos seguintes em outras nações das mais diversas línguas: Itália, Áustria, Estados Unidos da América, Espanha, Colômbia, Hungria, Inglaterra, Holanda, Bélgica, Portugal etc.

     Quando o Pe. Henrique faleceu em 1883, o Apostolado da Oração contava no mundo todo com 35.600 centros com mais de 13 milhões de associados.


APOSTOLADO DA ORAÇÃO NO BRASIL

     No Brasil, o primeiro centro foi fundado no dia 30 de junho de 1867, na cidade de Recife/PE, na Igreja Santa Cruz, oficiada pelos padres Jesuítas, chegados em Pernambuco no ano de 1865. O Pe. Bento Schembri, SJ foi seu fundador e primeiro Diretor. Em 1º de outubro de 1871, o Pe. Bartolomeu Taddei, SJ fundou o primeiro centro do Apostolado da Oração na cidade Itu/SP, fundando, logo, outros centros em nível diocesano e nacional. Por esta razão o Pe. Bartolomeu Taddei é considerado o fundador e o propagador do Apostolado no Brasil. Nomeado Diretor Nacional, o Pe. Taddei estendeu o Apostolado a todos os estados, de tal forma que o Cardeal D. Sebastião Leme pôde afirmar que “o renascimento espiritual do Brasil é obra do Apostolado da Oração”. No dia 1º de junho de 1869, o Pe. Taddei conseguiu superar as dificuldades e lançar o primeiro número da revista “Mensageiros do Coração de Jesus” como órgão do Apostolado da Oração. Além disto, com a colaboração fervorosa do Apostolado, o Pe. Taddei realizou o Primeiro Congresso Católico Brasileiro em 1900, na Bahia, completado com o Congresso de São Paulo e o do Rio de Janeiro. Esses congressos prepararam o caminho para Ação Católica e para a Ação Social em nosso país.Intensificando a vida eucarística e o culto ao Sagrado Coração de Jesus, o Apostolado da Oração revitalizou por toda parte a prática da religião, tanto individual, como nos lares por meio da consagração das famílias, através da consagração dos municípios, cidades e estados de todo o Brasil. A consagração do nosso país foi realizada oficialmente por ocasião do 36º Congresso Eucarístico Internacional, celebrado em 1956 na cidade do Rio de Janeiro.O Pe. Taddei faleceu no dia 03 de junho de 1913, na cidade de Itu/SP, junto ao Santuário Central do Sagrado Coração de Jesus por ele edificado, deixando em pleno funcionamento 1.390 centros do Apostolado da Oração espalhados por todo o Brasil, com cerca de 3 milhões de associados.

sábado, 30 de junho de 2018

Deus sim, religião não. Eu creio em Deus mas não sigo religião dizem muitos jovens de nossos dias.




“Meus pais queriam me obrigar a ir à missa todos os domingos como faziam quando eu era criança. Eu disse a eles que eu iria sim mas a partir do dia em que eles seguissem os ensinamentos do evangelho”.

“O pastor dizia: para não irmos para o inferno temos que confessar que Jesus é o Senhor. Conheci pessoas que não fizeram essa confissão de fé em Jesus e são pessoas maravilhosas, porém o pastor me mandou afastar-me delas porque são filhos das trevas utilizadas pelo diabo para desviar-me da salvação. A partir daí nunca mais fui na assembleia”. (Jovem universitário de 22 anos)

Muitas pessoas que pensam falam dos abusos das religiões. Você acha certo ou errado? Um dizia: “pelo que sei, tem gosto de falsidade, Jesus não enganava assim as pessoas”. E por isso muitos jovens de hoje dizem assim: “Deus sim, religião não. Eu creio em Deus mas não sigo religião”.

Muitos mostram-se horrorizados pela configuração obsoleta ou irreverente das próprias religiões cristãs. As religiões cristãs provocam-lhes desafeições. Porquê? Porque esses jovens têm uma grande virtude, eles mostram-se críticos em relação à coerência ou à credibilidade das instituições religiosas cristãs.

Por outro lado, eles dizem ter fé na vida, fé no homem e fé no que virá. E levantam a bandeira da luta contra a corrupção, contra a violência, a discriminazação das drogas, pelas causas ambientais e defesa do meio ambiente. E muitos de “igreja” de religião será que também?

Além disso, Jesus para eles, como tem sido apresentado? Assim como descreve o teólogo João Batista Libanio, “Jesus anunciado pelas tradições cristãs tornou-se um ser divino habitante das nuvens sem qualquer encarnação histórica destituído das bandeiras concretas de opões históricas pelos excluídos e pobres,  e longe dos conflitos políticos ou religiosos; Um ser que que somos chamados a amar tornando-nos ovelhas de presépio fiéis aos mandamentos ou dogmas da Igreja que lhes anuncia, sem protagonismo, questionamentos ou exigências de compromissos políticos ou socioambientais. Simplesmente apresentado como uma suposta garantia de salvação futura após a morte”.

Por isso os jovens continuam: “Para mim a religião só atrapalha. Elas dividem as pessoas e criam muros entre elas. São doutrinas puramente humanas que não visam transformar o coração humano para o amor universal, mas domesticá-los como fiéis. Elas escravizam em vez de libertar.” (Jovem de 25 anos considera-se cristã sem religião).

Outra dizia: “Eu curto a vida de São Francisco e S.ta Clara porque tentaram viver no tempo deles como Jesus. Meus pais não sabem que sou mais cristã agora do que quando eu ia à igreja, e me julgam uma ovelha desgarrada” (jovem universitária, 19 anos, cristã sem religião).

Aqui devemos nos perguntar com seriedade: Como estão os ensinamentos nas formações e nos encontros das catequeses adaptados às diversas idades? E com os agentes de pastorais? E dos evangelizadores? Como anda o cuidado com a evangelização específica da Juventude? Estão preparados para a Universidade com fé adulta, e respostas adultas? Como irão confrontar-se com as novas ciências que estão para chegar? E com novos professores?

Graças a Deus que muitos jovens hoje têm a coragem de fazer perguntas que os jovens antigamente não faziam. E têm a coragem de dizer “Deus sim, religião não. Eu creio em Deus, mas sigo sem religião”.


      NOTICIÁRIO:


1)- Hoje, 1º de Julho tem Exposição do Santíssimo, com os horários de cada Pastoral e movimento. Participe.

1-1)- Missão Jovem 22ªedição, dos catequizandos em preparação para a Crisma: será neste domingo na Comunidade de S.Antônio. Encerrando com a celebração da eucaristia às 15.00h junto com a Comunidade de S.Raimundo que fará a entrega da imagem da Padroeira, na campanha das caminhadas do Bote Fé. A Comunidade de S.Antônio entregará para a Comunidade da Santa Ana na  próxima semana dia 09/07, segunda feira.

1-2)- Hoje também é o Dia M, ou seja dia missionário em prol da 24ª Concentração estadual no próximo domingo dia 08/07,  quando aguardamos a presença de 5 mil e 8 mil pessoas de todo Maranhão num louvor ao Sagrado Coração de Jesus, com Palestras e momentos de espiritualidade e louvor no espaço do Rincão Boa Nova.

1-3)- Próximo domingo, dia 08/07 não vai ter celebrações ou missas nas Comunidades e na matriz por conta do evento estadual, e nem outras programações de qualquer tipo. A grande celebração acontecerá às 15.00h, presidida pelo bispo diocesano dom José Valdeci Santos Mendes e os párocos da cidade e outros da diocese e do Maranhão, no Rincão Boa Nova.

1-4)- Próximo domingo dia 08/07 não vai ter as missas e o dízimo na matriz, será transferido para o dia 15/07.

2)- Próximo sábado, 07/07 será a missa da unidade paroquial. Não poderão acontecer também outros eventos ou programações particulares.

3)- Quinta feira, 05/07 é a 1ª5ª feira do mês e tem as confissões na matriz e celebração penitencial à noite.

4)- Reunião da Pastoral do dízimo: dia 03/07, terça feira, sua presença é muito importante.

DA PROGRAMAÇÃO DA 24ª CONCENTRAÇÃO ESTADUAL DO APOSTOLADO DA ORAÇÃO.

CHEGADA DAS CARAVANAS APARTIR DAS 4h00 DA MANHÃ. 7h00 : Animação e Acolhida*Entrada da Imagem de Nossa Senhora das Dores e Oração do Santo Terço

8h00: Boas Vindas e Acolhida (Pe. Casimiro, Pe. Joel, D. Odete, Sr. Luís Antônio*Coordenador Estadual*,e Dom Valdeci) .  8h30: Entrada da Imagem do Sagrado Coração de Jesus           8h40: Oração Inicial   9h00:Apresentação do Hino da Concentração- Evaldo Carlos
9h20: Palestra “Evangelizar pelo Coração de Jesus” – Jerry Lima  10h20: Animação
10h30: Testemunhos  10h00: Apresentação do MEJ
11h15: Palestra do Ano do Laicato (Sugestão que seja feita por 01 pessoa do Conselho Diocesano dos Leigos –se possível mulher)   12h00: Animação
12h20: Apresentações: Angelline Balet, Jasc e Coral Nossa Senhora das Dores   13h30: Terço da Misericórdia  14h00: Adoração do Santíssimo

15h00: Missa   16h30: Avisos, Agradecimentos, e saída em Caminhada até a Matriz.
A Coordenadora do Apostolado da Oração repassará a Missão para a 25º Concentração Estadual que será na Diocese de Coroatá na Cidade de Arari-MA

Percurso da Caminhada:
Saída pelo portão Central do Rincão na Travessa Eurico Dutra, segue em direção a Igreja de Nossa Senhora Aparecida, entra na Rua Gonçalves Dias até entrar na Rua Ananias Albuquerque até a Pça Coronel Luís Vieira e segue até a Matriz de Nossa Senhora das Dores.
COORDENAÇÃO GERAL DO EVENTO:
Pe. Casimiro João, Pe. Joel Teixeira, D. Odete Guimarães Lima, Ir. Prudência Valada, Sr. Antônio de Sousa (Pirrita),Gerre Adriano, Jorge Luís, Cleonice Almeida, Rosângela Lima e Gnu Meireles.
Coordenadores das Equipes de Serviço:
1- Infraestrutura: Lindomar Torres.
2- Ornamentação: Ana Lúcia e Marlene
3- Acolhida: Estênio e Wellington (Terço dos Homens das 02 Paróquias)
4- Divulgação e Marketing: Antônio Junior e Alex Gouveia
5- Limpeza: Pastoral da Juventude das 02 Paróquias
6- Liturgia ( Oração, Adoração e Missa) Paulo e Maria José, Pastoral Litúrgica e Coordenações Paroquias dos Acólitos-02 Paróquias
7- Equipe de Animação: Durante o Encontro Francisca Costa, Durante a Caminhada Elexsandra.
8- Equipe de Som na Caminhada- Emanuel, Leonel e Raimundo.
9- Equipe do Café: Legião de Maria e Pastoral Familiar
10- Equipe de Alimentação: Ivanilson, Francisca (Terras Duras) e Clean (Areal)
11- Equipe de Segurança: Zezão e Cardeal
12- Equipe de Secretaria: Eliane Araújo, Euriléia e Antonilda.
13- Equipe de Finanças: Zé Carlos, Neylton, Charlian e Fabiano.
14- Apresentação: Gerre Adriano e Jerry Lima


sábado, 23 de junho de 2018

Nas diversas épocas impõe-se o processo de desmitologização para traduzir os ensinamentos bíblicos para a mentalidade atual.




Na época pre-cientifica a terra dos homens via-se continuamente visitada pelo mundo celeste em forma de anjos e demônios que eram considerados intermediários da ação divina.

A esse universo da humanidade chamou-se de mito. Impõe-se o processo de desmitologização para traduzir os ensinamentos bíblicos para uma mentalidade atual. No eferente aos evangelhos também a maior parte consta de testemunhos da fé em Jesus, mas trazendo bem pouca coisa do Jesus histórico e galileu.

Assim por exemplo, as visitas de anjos e as narrações de de anunciações de nascimentos, como do Sansão, Samuel, Jesus e João Batista, e as narrações de vocações como Jeremias e Isaias etc.

As duas margens do Lago muitos constantes nos relatos simbolizando os dois mundos: de um lado o mundo dos Judeus, do outro lado o mundo pagão. A isso chamamos a teologia do espaço e das viagens missionárias de Jesus.

Devemos ter em conta que na linguagem narrativa da Sagrada Escritura, na época, havia muitos copistas que recebiam o que passava de mão em mão, e quando chegavam nas mãos deles os escritos já tinham recebido muitas modificações. 

E por sua vez eles faziam ainda mais modificações, seja porque não entendiam bem algumas palavras, seja para darem explicações da cabeça deles. Por exemplo. O relato eucarístico de Marcos se reportava à ação da ceia que começou se fazendo nas casas, e depois Marcos a inseriu na narração do seu evangelho.

E para Lucas, a ceia é um sinal comunitário cujo significado está relacionado à nova aliança, onde é difícil reconhecer ali um ato de culto. E o teólogo Libânio diz que Jesus não organizou uma nova maneira de adorar a Deus, de lhe prestar homenagem, de lhe apresentar dons e súplicas. E para orar, os próprios discípulos suplicaram “ensina-nos a orar” (Lc.11,1).

E assim também no evangelho de João encontramos poucos temas sobre o tempo do Jesus histórico mas muito mais sobre uma teologia elaborada sobre Jesus. Não tanto se virmos que os evangelhos pertencem a um grande gênero literário que a Igreja primitiva criou. Vale dizer, em vez de uma biografia de Jesus trata-se de testemunhos de fé e de anúncio para despertar a fé no ouvinte.

E como base nessa fase anterior temos a literatura haggádica que servia para ensinar uma doutrina, com ou sem fundamento histórico. E vinha de mistura o “midrash”, ou tema de edificação que era um reforço quando se fazia uso da Escritura. Os evangelhos da Infância são uma literatura “midrash haggádica”. 

Outros exemplos: a cena do Tabor, do Mar vermelho,  cura do cego de nascença, os discursos de Mateus, as viagens missionárias de Jesus e o seu sentido teológico.

Por isso, Libânio afirma que temos que ter em conta, mesmo para colocar no seu devido ligar os dogmas e não tanto absolutizá-los, “que não se pode prescindir da evolução da dogmática ao longo da história na compreensão de Jesus” (Linguagens Sobre Jesus, 2, 56).

Na verdade, os romanos consideravam história como simples relatar a vida de varões ilustres a fim de apresentar às novas gerações modelos de vida. Assim se mostra Jesus no cotidiano como Deus entre nós. E assim a vida de muitos Santos e Santas depois de Jesus.

          NOTICIÁRIO:


1)- Nesta semana foi a caminhada da entrega da imagem da Padroeira para a Comunidade S.ta Teresinha, como preparação do Bote Fé. Fomos agraciados com uma boa tarde de chuva.

2)- Neste domingo, 24, a caminhada vai ser para a Comunidade São Raimundo. E no próximo domingo der S.Raimundo para S.Antônio.

3)- Próximo domingo tem a Missão Jovem na Comunidade de Santo Antônio para os catequizados da Profissão de Fé 01 e 02. Desejamos bom trabalho.

4)- Atenção: Próximo domingo, 01/07 é o Dia M, dia Missionário em prol da 24ª Concentração estadual do Coração de Jesus. Com visitas e celebrações em todas as Comunidades das duas paróquias de N.S. das Dores e de Cristo Rei, como a preparação já para o dia 08 que está bem aí chegando.  Lembramos às Comunidades que às 05.00h do dia oito (08/7) todo o Som das Capelas é para funcionar para alertar todas as duas Paróquias.

5) Ontem e hoje decorre a Escola diaconal da Diocese para os candidatos de todas as as paróquias.

6)- Pastorais da Juventude e todas as Juventudes: reunião na diocese no dia 12/07 para a articulação do SETOR JUVENIL. Vão dois elementos de cada Pastoral e movimento. Inicio às 08.00h e termino às 16.00h.

7)- Lembrando que 27 a 29/7 tem encontro estadual de base da PJ na cidade de Estreito, onde são pedidos 04 jovens por paróquia.

8)- No dia 26, 3ªfeira, temos a reunião da Pastoral do Dízimo. Sua presença é muito importante.

9)- Dia 27 a reunião da Pastoral Familiar.

10)- Dia 28 Reunião da Pastoral do Batismo.


Histórico e sentido da devoção ao sag.coração de jesus:

Em 1673 a Santa Margarida Maria teve as revelações do Sagrado Coração de Jesus como inicio desta devoção. Mais tarde foi incrementada pela beata Maria do Divino Coração, condessa de Droste Zu Vishering, por meio de um Ato de Consagração solene pedido ao Papa Leão XIII. Por sua vez o comerciante M.Kemper de Dayton, em 1882  espalhou a devoção  na América do Norte.

Anteriormente o povo católico como que tinha medo demais do Sacrário e da eucaristia. Alguns santos diziam que devia ter grades em volta pra ninguém se aproximar. A comunhão devia ser muito raramente, É por isso que esta devoção veio aproximar mais os cristãos da comunhão e do sacrário com a comunhão nas primeiras sextas feiras de cada mês.

Devemos saber que nesses tempos não era permitido a ninguém nem tocar nos panos do altar onde pousava a hóstia. E ninguém subir no altar nem tocar a hóstia. Com o andar dos tempos e o avanço da teologia a respeito, hoje em dia tem os ministros e ministras da comunhão e muito mais aproximação do altar.

Programação:

Às 5.00h todo o Som das capelas anunciando e convidando para o evento estadual. Às 6.30h todo mundo chegando no Rincão, e recepcionando os romeiros. 

Às 08.00h Abertura oficial e entrada da Imagem do Sagrado Coração de Jesus e 1ªPalestra do dia. Às 11.00h 2ª Palestra e diversas Apresentações.  

Às 15.00h Santa Missa presidida pela Bispo diocesano dom Valdeci e por diversos sacerdotes da diocese e do Maranhão. Segue-se uma hora de Adoração e em seguida Caminhada rumo à igreja Matriz de N.S. das Dores e despedida. 

Atenção: As barracas de alimentação ficam todas a cargo das Comunidades e de quem vender seus lanches e quentinhas. No próximo Informativo serão dados mais detalhes da Programação.